IndieJúnior chega hoje às escolas

O IndieJúnior está de volta! São cerca de 3,500 os alunos inscritos na edição deste ano do IndieJúnior Escolas, que arranca hoje nos estabelecimentos de ensino, prolongando-se até 14 de maio. 

Em mais um ano atípico, relembramos a importância do cinema através de filmes tão divertidos quanto inspiradores. Nesta edição num formato diferente, abrimos, por agora, apenas as portas das escolas, sendo dada a professores e alunos a oportunidade de gerirem as exibições das sessões em que se inscreveram. Depois de 14 de maio, o IndieJúnior é interrompido, regressando às salas de cinema de 21 de Agosto a 6 de Setembro, as novas datas anunciadas para o IndieLisboa, com as sessões para as famílias. 

Contamos mais uma vez com o apoio fundamental das Escolas que este ano estão envolvidas na atividade educativa Eu Programo Um Festival de Cinema; uma atividade que constrói o contacto entre os nossos programadores e estes jovens programadores. 

Foram alunos dos 10 aos 15 anos, das escolas participantes, que fizeram a curadoria dos filmes exibidos nas sessões a apresentar a todos os outros espectadores, através de uma seleção criteriosa dos filmes recebidos. Para desenhar a sessão de 2º ciclo O Lugar das Memórias | +10, contámos com a colaboração da Escola Básica e Secundária Josefa de Óbidos, pela turma do 6ºF, acompanhada pelas professoras Carla Lopes e Eduarda Cardoso. Para a sessão de 3º ciclo Pensar, Sonhar e Voar | +12, o desafio foi lançado à Escola Básica 2,3 Almeida Garrett, pela turma do 9ºA, acompanhada pela professora Elvira Zanatti e pela Dra.Elisa Marques, coordenadora responsável pelo Programa Cultural do Agrupamento. 

Para este público mais infanto-juvenil, há filmes que ecoam narrativas que são urgentes e se oferecem ao debate, como RaparigasRapazesmix, um documentário verdadeiramente tocante e necessário de Lara Aerts, que aborda a perspectiva de uma criança intersexo que luta por viver autenticamente com aquilo que sente ser a sua identidade de género, rapariga e rapaz ao mesmo tempo. Relata a história de Wen Long, de 9 anos, que,  por ser intersexo num mundo binário, sempre se questionou sobre a que lugar pertenceria – sessão O Lugar das Memórias | +10, assim como Os Sapatos do Louis, um filme dos jovens Théo Jamin, Kayu Leung, Marion Philippe e Jean-Géraud Blanc que surge para relembrar a importância de falar sobre o autismo e o igual acesso que merecem ter a qualquer oportunidade. Um filme aos olhos de Louis, um menino autista de 8 anos, no dia em que chega à sua nova escola e percebe que ali pode falar sobre a sua perspectiva do mundo. Em Julho 96, na sessão Pensar, Sonhar e Voar |+12, vamos acompanhar Sophie e ver como reage ao perceber que este será o seu último verão enquanto criança.

Nesta volta ao mundo com mais de 25 filmes em competição, damos a conhecer o que de melhor se tem produzido em cinema para crianças e jovens. 

Na sala de cinema ou na escola, o IndieJúnior aposta numa programação recheada de filmes que serão verdadeiramente surpreendentes!

Vamos a isto?

Retrospectiva Sarah Maldoror: três curtas metragens em sessão de antevisão

Fogo, L’Île de Feu, Un Carnaval dans le Sahel e A Bissau, le Carnaval são as três curtas metragens de Sarah Maldoror que apresentamos numa sessão especial a 30 de Abril, na Cinemateca Portuguesa, em antevisão da retrospectiva da cineasta que se insere na edição deste ano do IndieLisboa.

 

Com esta sessão especial, comemoramos a reabertura das salas e marcamos a semana que seria a de início do festival, antes do seu reagendamento. Iremos também apresentar a programação da retrospectiva da cineasta, uma co-programação do IndieLisboa e da Cinemateca Portuguesa, que decorrerá durante a 18ª edição do IndieLisboa de 21 de agosto a 6 de setembro. 

 

As três curtas metragens em exibição foram filmadas em Cabo Verde e na Guiné-Bissau, na transição para os anos oitenta. Nelas e através delas, Sarah Maldoror explora o significado de uma identidade africana, a sua história e cultura através das festas e manifestações populares, conferindo grande destaque ao Carnaval. Como no último destes filmes afirma Luís Cabral, “foi a capacidade de resistência cultural do nosso povo que nos deu a força necessária para conduzir a resistência política e militar”. O papel essencial da cultura é assim revelado pela força e beleza das máscaras e pela música e dança que as acompanham, como o será em toda a posterior obra de Sarah Maldoror que poderá ser vista durante o festival. 

 

A sessão terá lugar na Sexta-feira, 30 de Abril, às 19:00, na Sala M. Félix Ribeiro, na Cinemateca Portuguesa. Os bilhetes podem ser adquiridos através da bilheteira da Cinemateca

 

CURTAS METRAGENS DE SARAH MALDOROR 

FOGO, L’ÎLE DE FEU 

Cabo Verde, 1979 – 34 min  

 

UN CARNAVAL DANS LE SAHEL  

Cabo Verde, 1979 – 28 min 

 

A BISSAU, LE CARNAVAL 

Guiné-Bissau, 1980 – 18 min  

 

duração total da projeção: 80 minutos | legendados eletronicamente em português | M/12