Anjo

A estreia como realizador do actor Miguel Nunes (o rosto de Cartas da Guerra, IndieLisboa 2016), Anjo, retrata uma Lisboa veranil e pasmosa na qual Miguel se passeia, por entre festas improvisadas, amigos e paixões antigas.

Mapa-Esquisito

Após Jean-Claude ter recebido uma menção honrosa nos Novíssimos, em 2016, Jorge Vaz Gomes cartografa este Mapa-Esquisito: um trajecto que se inicia nas oito casas que habitou, e continua pela itinerância mental de quem nunca deixou raízes.

Os Mortos

Gonçalo Robalo (Leite e Entre Paredes, IndieLisboa 2012 e 2013) traz-nos uma desarmante sucessão de memórias pessoais em que o realizador recorda as situações em que aqueles que lhe eram próximos morreram: Os Mortos.

Sombra Luminosa

Depois de A Trama e o Círculo vencer o prémio Novo Talento, em 2015, a dupla Francisco Queimadela e Mariana Caló compõe um hipnótica reflexão com base no trabalho expositivo do Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

A Barriga de Mariana

Frederico Mesquita (produtor de dois filmes do IndieLisboa 2017: De Madrugada e O Meu Pijama) estreia-se na realização com o doce e soalheiro A Barriga de Mariana: o retrato de um jovem casal no momento em que ela descobre estar grávida.

Tempo Comum

Num apartamento em Lisboa, Marta dedica-se aos cuidados maternos da sua primeira filha acabada de nascer, ao mesmo tempo que convalesce do parto. A casa acolhe múltiplas visitas: amigos e familiares que vêm receber o novo rebento e pôr a conversa em dia. Tempo Comumde Susana Nobre (Estados da Matéria e Provas, Exorcismos, IndieLisboa 2006 e 2015) continua o seu cinema onde a ficção se mescla com a realidade, retratando intimamente um momento marcante na vida de uma mulher. E depois, as rotinas instalam-se, como um barómetro que descreve uma nova estabilidade.

Histórias de Fantasmas

Histórias de Fantasmas é um tríptico enigmático onde o realizador Carlos Pereira investiga a relação que se estabelece entre um rosto e a sua imagem, na superfície do ecrã ou na figura de um retrato pintado.

Num País Estrangeiro

Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes (Incêndio e Outubro Acabou, IndieLisboa 2011 e 2015) regressam com Num País Estrangeiro, uma “transcrição cinematográfica” de um texto censurado de Herberto Hélder.

Instruções Para Uma Revolução

Tiago Rosa-Rosso (Despedida e Lei da Gravidade, IndieLisboa 2015) oferece-nos as Instruções para uma Revolução: um filme que é uma dança e uma inusitada lógica entre palavras e significados (adaptação livre de O Torcicologologista, Excelência de Gonçalo M. Tavares).

Fortuna

Miguel Tavares (Logística e Rochas e Minerais, IndieLisboa 2015 e 2016) encontra em Fortuna uma sombria parábola sobre a deusa do acaso e os inexplicáveis acontecimentos que têm como palco a secreta serra da Arrábida.

Via

A luso-venezuelana Maria Ferreira compõe, em Via, uma inventiva animação que cruza estradas com artérias, rios com veias e cidades com neurónios.

War of the Worlds

A peça de teatro de Orson Welles,War of the Worlds(famosa pelo caos que provocou nos que acreditaram no relato da invasão alienígena), serve de base à animação de Manuel Brito, igualmente caótica nas suas colagens tãotrashyquanto divertidas.

A Árvore

A estreia de André Gil Mata na longa metragem de ficção (depois das curtas Arca d’Água, Casa, O Coveiro e Num Globo de Neve terem passado pelo IndieLisboa) dá-se com A Árvore. Rodado integralmente na Bósnia, durante os rigorosos meses de Janeiro e Fevereiro, este é um filme onde o frio nos penetra em extraordinários planos-sequência, filmados em película de 16mm. Um homem e uma criança encontram-se debaixo de uma árvore à beira de um rio, compartilhando a mesma memória e um segredo. Encontram no outro a serenidade, o silêncio e o tempo que perderam na corrente.

Self Destructive Boys

Depois de Má Raça vencer o prémio Novo Talento Fnac em 2013 e Aula de Condução (Indielisboa 2015), a dupla André Santos e Marco Leão apresenta Self Destructive Boys, onde a rodagem de um filme pornográfico é um teste à flexibilidade sexual de três rapazes.

Sleepwalk

Filipe Melo, entre a música e a banda desenhada é também realizador: depois da série (já de culto) Um Mundo Catita, chega agora Sleepwalk, um filme rodado integralmente nos EUA e baseado no conto de banda desenhada, publicado em 2017 na revista Granta.

The Great Attractor

The Great Attractor é uma lúdica e misteriosa exploração pelas imagens do arquivo Prelinger onde se encontra a musicalidade do universo no malabar de uma criança.

Russa

João Salaviza (do qual o IndieLisboa exibiu Arena, Rafa e Cerro Negro) e o brasileiro Ricardo Alves Jr. (Elon Não Acredita na Morte, exibido em 2017) juntam-se para compor um retrato de Russa, uma mulher que regressa ao Bairro do Aleixo e ainda recorda as duas torres caídas.

Mariphasa

A segunda longa metragem de Sandro Aguilar (depois de A Zona ter competido no IndieLisboa, em 2008, assim como as curtas A Serpente, Voodoo, Dive: approach an exit e Jewels) corresponde à excelência do seu cinema intrigante com laivos de ficção-científica. Paulo (interpretado pelo fotógrafo António Júlio Duarte) é segurança nocturno de um complexo industrial abandonado. Vive com Luísa (Isabel Abreu) e com a perda da sua filha. Mas nas sombras cresce um mal-estar. O vizinho (Albano Jerónimo) corporiza uma instabilidade prestes a estalar.