Victoria

Isabelle Tollenaere, Liesbeth De Ceulaer, Sofie Benoot

IndieLisboa 2020 •

Documentário, 2020, 71′

No deserto de Mojave jaz a cidade inacabada de California, planeada nos anos 60 para receber centenas de milhares de habitantes, a par de Los Angeles ou San Diego. Mas não foi bem assim: vivem lá hoje, no meio de ruas vazias, pouco mais de 10.000 pessoas. O trio de realizadoras belgas segue alguns destes novos pioneiros que procuram novos começos, relatando as suas experiências, dando nomes às ruas, fazendo a pé longas viagens de exploração do espaço.

Num dado momento de Victoria, o seu protagonista Lashay T. Warren filma-se em frente a um cano rebentado na rua jorrando água. Na imagem que capta consegue, a dada altura, descobrir um arco-íris e diz-nos: “perante uma coisa má, podemos sempre obter um arco-íris”. Este bem poderia ser o lema deste cronista da desolação, novo pioneiro, que, em 2016, foi viver com a sua família para Cal City. Esta é hoje uma cidade inacabada no meio do deserto, pois o plano que nos anos 60 foi concebido para que se tornasse um local de habitação para milhares de pessoas foi abandonado. Neste mundo de western desolado, Warren e outros colegas usam o telemóvel como bússola para identificar as ruas e manter os trilhos limpos. As visitas à vizinha L.A. fazem-se apenas através do google maps. As realizadoras Benoot, De Ceulaer e Tollenaere procuram refletir sobre subtis processos de segregação racial e espacial, mas também sobre o potencial criador de um espaço do qual somos descobridores. (Carlos Natálio)