Programação IndieMusic 2021 aponta um maior foco a histórias individuais

De Ney Matogrosso, St. Vincent e Matthew Herbert a Poly Styrene e Shane MacGowan, a programação do IndieMusic, secção do IndieLisboa que faz a ligação entre cinema e música, aponta este ano um maior foco a histórias individuais, desde ícones de punk mundiais e nacionais, artistas que se reinventaram e outros que se dão a revelar.

Histórias para serem descobertas de 21 de agosto a 6 de setembro, na edição de 2021 do IndieLisboa, que este ano volta a ocupar as salas do Cinema São Jorge, Culturgest, Cinemateca Portuguesa e Cinema Ideal. 

 

Shane MacGowan e Poly Styrene nasceram no mesmo ano de 1957 e tornaram-se nomes maiores do punk. 

Crock of Gold: A Few Rounds with Shane MacGowan traça a biografia do líder dos The Pogues, poeta inspirado e performer contagiante, cruzando material de arquivo, entrevistas com MacGowan e conversas com diversas personagens (de Gerry Adams, antigo presidente do Sinn Féin, a Nick Cave ou Bobby Gillespie). 

Já em Poly Styrene: I Am a Cliché abrem-se os arquivos artísticos inéditos de Poly, ícone punk, vocalista das X-Ray Spex, cometa que abalou a cena musical britânica no final dos anos 70 e que serviu de inspiração para os movimentos riot grrrl e afropunk.

 

Ney Matogrosso, St. Vincent e Matthew Herbert são três camaleões, de reinvenção em reinvenção. 

Ney à Flor da Pele é uma antologia visual, toda composta por imagens de arquivo, das performances e palavras do artista brasileiro, desde o tempo dos Secos e Molhados até aos nossos dias. 

The Nowhere Inn é um mockumentary inspirado e divertido, que aproveita a amizade real entre Carrie Brownstein (das Sleater-Kinney e da série Portlandia) e Annie Clark (aka St. Vincent), num confronto de forças criativas para filmar um documentário sobre a vida de St. Vincent. 

Matthew Herbert é um dos mais versáteis e visionários artistas conceptuais do nosso tempo. The Symphony of Noise acompanha o processo criativo do músico, mostrando como Herbert pensa e faz música com os sons e ruídos do dia-a-dia.

 

No campo das descobertas, há espaço para conhecer Ilhan Mimaroglu, John Cohen e Patrick Cowley. 

Mimaroğlu: The Robinson of Manhattan Island é um retrato de Ilhan Mimaroğlu, o pouco conhecido compositor de música eletrónica e avant-garde turca, e da sua mulher, Güngör, que esteve ligada ao movimento dos direitos civis norte-americano, depois de emigrarem para o país em 1959. 

Different Johns é um retrato de John, músico folk e fundador dos New Lost City Ramblers, mas também fotógrafo, cineasta e antropologista com um papel singular no registo e colaboração com Jack Kerouac, Woodie Guthrie, Allen Ginsberg, Robert Frank e um jovem Bob Dylan. 

O produtor musical Patrick Cowley, criador da remix que se tornou hino I Feel Love de Donna Summer, tem em Patrick uma poética e justa homenagem.

 

Já outros dois filmes têm várias pessoas lá dentro. 

Sister With Transistors é a história por contar das pioneiras da música electrónica Clara Rockmore, Daphne Oram, Bebe Barron, Delia Derbyshire, Maryanne, Amacher, Pauline Oliveros, Wendy Carlos, Eliane Radigue, Suzanne Ciani, e Laurie Spiegel, nomes muitas vezes ocultados e esquecidos. 

Nueve Sevillas é um retrato de novas gerações e roupagens do flamenco entre os quais a bailarina Javiera de la Fuente, o poeta David Pielfort ou a advogada cigana e feminista Pastora Filigrana e performances de Niño de Elche, Silvia Pérez Cruz e Rosalía

 

E finalmente uma banda, e que banda! Chunky Shrapnel é um filme-concerto imersivo da banda psicadélica australiana King Gizzard & the Lizard Wizard, que segue a banda na sua tour de 2019, pela Europa fora, com o álbum Infest the Rats’ Nest às costas. Um filme- concerto num ano em que deixou de haver concertos.

 

A música portuguesa continua bem representada. 

Paulo Antunes, que em 2019 encheu a sala Manoel de Oliveira, no São Jorge, com o seu anterior filme Um Punk Chamado Ribas, continua a sua viagem pelo bairro de Alvalade e o punk nacional, agora com Já Estou Farto! que coloca o foco em João Pedro Almendra, o animal de palco que formou os Ku de Judas e foi a voz dos Peste & Sida, dos PunkSinatra e do projeto rock Os Filhos de Hannibal Lecter, estando também na génese dos Censurados. 

Eram 27 Dias e Paraste, é um documentário de bastidores sobre a apresentação do mais recente álbum de Noiserv, “Uma palavra começada por N”, no lisboeta Teatro Tivoli BBVA. Caudal é um filme sobre um concerto dos Solar Corona que nunca mais se vai repetir e We Were Floating High segue os First Breath After Coma durante o incrível ano de 2019, quando lançaram o álbum NU, antes de tudo mudar.

 

O júri da secção competitiva IndieMusic vai atribuir um prémio de 1000€ ao melhor filme da secção e é composto por Cláudia Guerreiro (Linda Martini), Yaw Tembe (músico e programador do Teatro do Bairro Alto) e Yen Sung (DJ). 

O vencedor será conhecido no final da 18ª edição do IndieLisboa, onde todas estas histórias subirão ao palco. 

 

A programação das restantes secções do festival será brevemente anunciada. 

 

Lista de filmes selecionados:

 

Longas

A Symphony of Noise (Enrique Sánchez Lansch / Alemanha)    

Chunky Shrapnel (John Angus Stewart / Australia)     

Crock of Gold: A Few Rounds with Shane MacGowan (Julien Temple / Reino Unido, EUA)

Different Johns (Robert Carr / França, Alemanha, Perú, EUA)

Já Estou Farto! (Paulo Antunes / Portugal)     

Mimaroğlu: The Robinson of Manhattan Island (Serdar Kökçeoğlu / Turquia, EUA)    

Ney à Flor da Pele (Felipe Nepomuceno / Brasil)     

Nueve Sevillas (Gonzalo García Pelayo, Pedro G. Romero / Espanha, França)     

Poly Styrene: I Am a Cliché (Celeste Bell, Paul Sng / Reino Unido)     

Sisters With Transistors (Lisa Rovner / Reino Unido)     

The Nowhere Inn (Bill Benz / EUA)    

    

Curtas

Caudal (Luís Sobreiro / Portugal)

Eram 27 Dias e Paraste (Jota Assis e Noiserv/ Portugal)     

Patrick (Luke Fowler / Reino Unido)     

We Were Floating High (Tiago Gomes / Portugal)