White Riot

Rubika Shah

IndieLisboa 2020 •

Documentário, 2019, 80′

No final dos anos 70, a Frente Nacional Britânica defendia posições xenófobas de extrema direita. Como resposta nasceu um elemento central do punk rock britânico, o movimento anti-racista Rock Against Racism. O filme de Rubika Shah retrata o surgimento desse movimento, sob o impulso do fotógrafo de música Red Saunders, e ao qual se juntariam bandas como The Clash ou Sham 69, num momento em que uma geração desafiava o status quo através da música..

O RAR – Rock Against the Racism, movimento político e cultural, nasceu em 1976 em Londres como reacção ao aumento de ataques racistas no Reino Unido, ao apoio à fascista Frente Nacional Britânica e ao apoio por parte de alguns músicos à ideia Keep Britain White.

Relevante e oportuno, o premiado White Riot intercala testemunhos com imagens de arquivo, relevando o ambiente hostil e anti-imigrante e as marchas da Frente Nacional. Enquanto os neonazis recrutavam jovens, os concertos multiculturais de punk, rock ou reggae do RAR eram a resistência contra o fascismo. Músicos de vários géneros musicais não só tocavam como participavam na organização das acções. O RAR foi crescendo, desde os fanzines até ao enorme Carnival Against the Nazis, um dos marcos do movimento, em Abril de 1978, que juntou 100.000 pessoas numa marcha pelas ruas de Londres até Victoria Park, onde actuaram bandas como The Clash, Steel Pulse e X-Ray Spex. (Helena César)