Amanda

Mikhael Hers é um nome habitual do IndieLisboa. Depois dos seus três primeiros filmes terem sido exibidos na Competição Internacional (“Ce sentiment de l’été”, “Memory Lane” e “Primrose Hill”), Amanda confirma-o como um dos mais argutos retratistas do cinema francês contemporâneo. Aqui o realizador olha de frente para as consequências do terrorismo: Amanda é a sobrinha de David, de 20 anos, que fica ao seu cuidado depois da sua irmã ter morrido brutalmente num ataque. O dilema que se segue constrói um filme tocante sobre o amor e compromisso da idade adulta.

Ce sentiment de l’été

Durante o Verão, Sasha, de apenas 30 anos, morre subitamente. O trágico evento vai juntar, num momento de perda, dois estranhos: o namorado, Lawrence, e a irmã, Zoé. Contra o desgosto, Mikhaël Hers decide ambientar a sua história na memória da luz e do calor de três Verões passados com Sasha. Memória essa que não pode deixar de evocar o cineasta francês Éric Rohmer. Depois de Primrose Hill (2008) e Memory Lane (2011) esta é a terceira vez que o realizador tem um filme na Competição Internacional do IndieLisboa.

Primrose Hill

Um subúrbio ocidental de Paris, um grande parque sobre a cidade, o Sena em baixo, uma colina em Londres, a canção de uma melodia dissonante, amizade, a sombra destes sobre bandas britânicas, caras esquecidas, a cor da memória.

Memory Lane

Sete amigos, jovens adultos, passam uma semana de Agosto nos subúrbios de Paris, onde cresceram. Uns, porque estão de visita às suas famílias, outros porque é o sítio onde ainda vivem. Realizador da premiada curta-metragem Primrose Hill”, apresentada no