Just What the Doctor Ordered

Para o cineasta Edgar Pêra, a sua viagem à China, filmada em Super8 colorido, “My Trip to China”, reflectiu-se nos instantes de escadarias em movimento, de ruas que se atravessam a passo lento e bicicletas perpendiculares às passagens de peões. Também no circular parado da multidão nas cidades proibidas, dos anúncios luminosos, do sol vermelho que se deita. Até o som de ‘Just What the Doctor Ordered’ (‘Murdering the Classics’) é distendido, distorcido, quase parodiado, pela voz sincopada da língua chinesa.

4 – Manuel João Vieira & Os Irmãos Catita

Edgar Pêra foi Herói Independente do festival em 2006 e já nessa altura os “Arquivos Kino-Pop” estavam bem apetrechados. Desde dos anos 1980 o ‘Homem-Kâmara’ vem recolhendo imagens do mundo em cine-diários que, muitas vezes, tendem para a música. Um registo inédito desse repositório inclui uma performances incrível de Manuel João Vieira (Ena Pá 2000, Irmãos Catita e Corações de Atum). Uma oportunidade única de viajar no tempo e assistir a um dos momentos em que a história da música portuguesa se fez, em cima do palco!

1 – Pedro Ayres de Magalhães

Edgar Pêra foi Herói Independente do festival em 2006 e já nessa altura os “Arquivos Kino-Pop” estavam bem apetrechados. Desde dos anos 1980 o ‘Homem-Kâmara’ vem recolhendo imagens do mundo em cine-diários que, muitas vezes, tendem para a música. Um registo inédito desse repositório inclui uma performances incrível de Pedro Ayres de Magalhães (Heróis do Mar e Madredeus) Uma oportunidade única de viajar no tempo e assistir a um dos momentos em que a história da música portuguesa se fez, em cima do palco!

13 – Farinha Master

 

Edgar Pêra foi Herói Independente do festival em 2006 e já nessa altura os “Arquivos Kino-Pop” estavam bem apetrechados. Desde dos anos 1980 o ‘Homem-Kâmara’ vem recolhendo imagens do mundo em cine-diários que, muitas vezes, tendem para a música. Um registo inédito desse repositório inclui uma performances incrível de Farinha Master (líder dos míticos Ocaso Épico, falecido em 2002). Uma oportunidade única de viajar no tempo e assistir a um dos momentos em que a história da música portuguesa se fez, em cima do palco!

O Homem-Pykante – Diálogos com Pimenta

O novo filme de Edgar Pêra (Herói Independente em 2006) é dedicado ao enorme Alberto Pimenta, focando-se, mais do que na sua poesia, na sua importância enquanto pioneiro da performance em Portugal. Quem nunca ouviu falar do histórico happening no Jardim Zoológico em 1977, quando Pimenta se trancou numa jaula (junto à dos macacos) com uma tabuleta indicando “Homem (Homo sapiens)”? O Homem-Pykante é, assim, um filme-performance (no estilo caleidoscópico do cinema de Pêra) que faz a devida homenagem a um dos mais importantes criadores portugueses, experimentador por natureza e inconformista político por convicção.

Crime/Abismo Azul/Remorso Físico

Amadeu não só foi um grande pintor, mas um artista total. Apanhado na ratoeira do país onde nasceu, pelo tempo de destruição em que viveu e por si mesmo, teve uma vida curta e não lhe foi consentido o reconhecimento internacional que poucos artistas portugueses podiam ter tido.

SWK4

Os universos futuristas, protosurrealistas, sensacionalistas e modernistas de Almada Negreiros. U ke é ser futurista no final do século XX?

Stadium

Em incerta época apokaliptika um macaco confronta-se com um romano no estádio Municipal de Braga da autoria do arquitecto Eduardo Souto Moura. Um micro-filme rodado durante os intervalos de STADIUM.

Reproduta Interdita

Nas mítikas ruínas do Chiado a enfermeira Penelope Kruxis enfrenta caso raro de mutação kontagyosa. Patrocinado por Mutex Spray Anti-mutante¬Æ.

Planeland 4

Cine-diário de uma exposição de camas no Hospital Júlio de Matos.

Oito Oito

Ficção linear katódyka. Um pacato pai, em busca desesperada do seu filho pelos meandros de um underground lovecraftiano, sofre um violento processo de transformação.

Para a Frente e para Trás

Cine-diário: uma manifestação pela Palestina em plano único. Feito originalmente para uma instalação de Luciana Fina, para o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.

O Mundo Desbotado

Relatóryu de uma invasão alienígena kamuflada sob a forma de alucinações. Este relatóryu foi-nos komunicado pela Liga das Pessoas Normais através de 1 aqua-portal inter-dimensional modelo AKáCYO-RPTO7363666.

O Dia do Músiko

Sátira de Eric Satie ao mundo burokratizado dos artistas – funcionáryus – públikus. Filme koncebido em workshop com os alunos da Escola Superior de Teatro e Cinema, para espectáculo teatral.

O Homem Teatro

O projecto de filme O Homem-Teatro nasceu de um desafio lançado pelo Teatro Nacional de São João, em Fevereiro de 2000. O projecto teve diferentes formatos até que, alguns meses e uma direcção depois, se firmou num filme de autor. Em formato documental, tem como ponto de partida a vida e obra de António Pedro, surri-artista multifacetado e figura fantasma da história do Teatro do Porto e de Portugal.

O Trabalho Liberta?

Uma cine-viagem pelas respostas de Paulo Varela Gomes, António Vaz Pinto, Paulo Borges, Agostinho da Silva, António Bracinha Vieira, Herman José, José Luis Judas, Ruben de Carvalho, Irmãos Catita, mineiros Neves Corvo, demolidores do Chiado, trabalhadores alentejanos, etc.

Movimentos Perpétuos – Cine-Tributo a Carlos Paredes

Um documentário em 17 movimentos, em que os testemunhos e a guitarra definem o génio, a bravura e a modéstia de Carlos Paredes. Em MOVIMENTOS PERPÉTUOS ‚ TRIBUTO A CARLOS PAREDES estabelece-se um diálogo entre uma guitarra e uma câmara de Super8, numa estética que evoca a memória dos velhos filmes de família, plena de intimidade, revelada na partilha de pequenas histórias da vida. O concerto de Carlos Paredes no Auditório Carlos Alberto, no Porto, em 1984, é o ponto de partida para o desenrolar de histórias da prisão, resistência, sucessos e amadorismo, relatos marcados pela simplicidade e pela paixão. Em que se revela por exemplo, como Paredes a seguir este concerto toca para o recepcionista do hotel que não pode assistir. Ou ainda de como se servia de um pente na prisão para exercitar a guitarra. O testemunho de amigos e colegas dá-nos a entender um pouco mais quem foi este homem, que embora passando por privações nunca se queixava, e que nos deixou uma obra genial de valor incontestável, não só pela beleza das suas composições e da sua interpretação, mas também pela dimensão que deu à Guitarra Portuguesa, elevando-a a instrumento autónomo, em vez de ter apenas funções de acompanhamento, e transformando-a num símbolo da música portuguesa além-fronteiras. Fica a sensação de libertação que a sua arte é capaz de produzir, e a mística da obra que deixou, cheia de entusiasmo profundo e nostalgia do futuro.

Manual de Evasão LX94

3 mysteriozos magus da dimensão kalyfornyana aprezentam alternativas à koncepção linear klássika do tempo, durante a sua estadya em Lisboa 94. Os resultados do 23º Kongresso do Tempo foram revistos e restruturados três neuroH-anos depois.