18ª Edição do IndieLisboa, um Oásis para o Cinema Internacional

Pelo segundo ano em pleno verão e ainda num formato atípico, o IndieLisboa – Festival Internacional de Cinema de Lisboa aconteceu entre 21 de Agosto e 6 de Setembro, naquela que foi a edição mais longa na sua história.

No ano em que atingiu a maioridade, reuniu um total de 276 filmes distribuídos por 191 sessões, 27 das quais esgotadas. Ainda com as salas reduzidas a 50% do público, foi grande a adesão às habituais salas de cinema – Cinema São Jorge, Culturgest, Cinema Ideal e Cinemateca Portuguesa – mas também ao ar livre no Jardim da Biblioteca Palácio Galveias e na esplanada da Cinemateca, uma boa aposta para as noites quentes.

É de salientar o sucesso do documentário de Ahmir “Questlove” Thompson que reescreve finalmente a história do Festival Cultural do Harlem de 1969 em Summer of Soul (…or, When the Revolution Could Not Be Televised), vencedor do Prémio de Melhor Documentário na edição deste ano do Festival de Cinema de Sundance nos EUA. No campo da competição internacional, Nous, o filme-sensação de Alice Diop que tem passado os últimos 15 anos a filmar os bairros periféricos de Paris pela lente do activismo social, e Les Prières de Delphine, de Rosine Mbakam, que acabou por vencer o Grande Prémio de Longa-Metragem Cidade de Lisboa. Também de salientar a secção IndieMusic, em particular filmes como Ney à Flor da Pele, Sisters with Transistors ou Nueve Sevillas, os últimos dois vencedores do Prémio IndieMusic deste ano. No plano dos filmes portugueses, o belíssimo Paraíso, de Sérgio Tréfaut, estreado recentemente e No Táxi de Jack, de Susana Nobre, elevaram a fasquia do cinema português. Ainda assim e olhando para trás, o acontecimento deste ano foi a majestosa e a mais completa Retrospectiva de Sarah Maldoror na Cinemateca Portuguesa, um dos momentos mais aguardados deste ano, em jeito de agradecimento e profunda homenagem após o desaparecimento da cineasta no passado ano de 2020. A sua filha Annouchka de Andrade marcou presença nas projecções e firmou o objectivo desta comunhão anual de pessoas que através do cinema vivem.

No cinema para os mais novos, foi de notar uma boa adesão das famílias ao festival, destacando-se o Dia da Família, no Jardim Biblioteca Palácio Galveias, o Cinema de Colo para bebés dos 4 meses aos 2 anos e meio, e o filme-debate para todos os pais, filhos e professores Autismo: o caminho para a inclusão na escola e na comunidade que se focou em abordar a questão da diferença, e que aconteceu na Biblioteca Palácio Galveias. As sessões organizadas com as escolas pelo serviço educativo do festival já tinham acontecido em Maio passado (nas datas originais do festival) e constituiu um grande acontecimento pelo facto de, pela primeira vez, essas sessões terem decorrido directamente nas escolas.

Além do público que assistiu às sessões de cinema, é também importante destacar tanto os que assistiram às actividades do festival, como as LisbonTalks Universidade Lusófona, transmitidas em directo no YouTube, como os participantes das actividades de indústria, nomeadamente as Lisbon Screenings, direccionadas exclusivamente a profissionais. A acrescentar a isto, estão todos aqueles que ouviram e continuam a ouvir as Director’s Talks, conversas sobre cinema entre a nossa equipa e cineastas presentes no festival, não só no Facebook mas também em formato podcast, disponível no Spotify, Google Podcasts, Radio Public, Breaker e Anchor. A app e o Whatsapp do IndieLisboa acompanharam o festival, ajudando os espectadores a terem toda a informação necessária sobre a programação e o evento em si.

O IndieLisboa terminou no passado dia 8 de Setembro, após a exibição dos filmes premiados no Cinema Ideal e a conclusão da Retrospectiva Sarah Maldoror na Cinemateca Portuguesa. Estará de regresso em 2022, entre os dias 28 de Abril e 8 de Maio, com uma nova selecção de filmes de produção nacional e internacional. Entretanto, o festival e os filmes presentes na sua 18a edição viajarão pelo país a quem não pôde estar presente em 10 extensões, que vão de Odemira a Famalicão, passando por Vila Franca, Penafiel ou Pinhal Novo.

Um grande obrigada e até para o ano!

Anunciado o Palmarés do IndieLisboa 2021

Foram anunciados na segunda-feira dia 6 de Setembro, na Culturgest, os filmes premiados do IndieLisboa 2021.
A realizadora Rosine Mbakam vence o Grande Prémio de Longa-Metragem Cidade de Lisboa com o seu filme Les Prières de Delphine, um documentário cru que faz um retrato de uma jovem camaronesa que carrega uma bagagem de sofrimento, pertencente a uma geração de jovens mulheres Africanas destruídas pelas nossas sociedades patriarcais e abandonadas para a exploração sexual Ocidental como único meio de sobrevivência. O júri da Competição Internacional galardoou ainda The Inheritance com o Prémio Especial TVCINE. O Prémio para Melhor Longa-Metragem Portuguesa foi entregue a No Táxi do Jack, de Susana Nobre, enquanto que o Prémio de Melhor Realização para uma Longa-Metragem foi para Simon Chama, de Marta Sousa Ribeiro. Enquanto isso, o Prémio Dolce Gusto para Melhor Curta-Metragem Portuguesa foi atribuído a O Que Resta, de Daniel Soares. E o Prémio Novo Talento The Yellow Colour revelou a “realização cirurgicamente precisa” de Laura Carreira, com The Shift. O Grande Prémio de Curta-Metragem foi entregue a Keep Shiftin’, de Verena Wagner, que situa a corporalidade dos trabalhadores de uma fábrica de vidro algures na fronteira entre a Alemanha e a República Checa.

> Os filmes premiados podem ser vistos no Cinema Ideal até quarta-feira, dia 8 de Setembro.

PALMARÉS 2021

JÚRI DA COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE LONGAS-METRAGENS​

Bas Devos | Erika Balsom | Joana Craveiro

Grande Prémio de Longa-Metragem Cidade de Lisboa – 15.000 Euros
LES PRIÈRES DE DELPHINE,Rosine Mbakam, Bélgica / Camarões, doc., 2021, 91’

Prémio Especial do Júri Canais TVCine (Aquisição dos direitos do filme para Portugal)
THE INHERITANCE,Ephraim Asili, EUA, doc. / fic., 2020, 101’

JÚRI INTERNACIONAL DE CURTAS-METRAGENS

Bianca Lucas | Mariana Gaivão | Réka Bucsi

Grande Prémio de Curta-Metragem Betclic – 4000 Euros 
KEEP SHIFTIN’,Verena Wagner, Alemanha, doc., 2020, 21’

Prémio Melhor Curta de Animação – 500 Euros
THANK YOU,Julian Gallese, Reino Unido, anim., 2020, 8’

Prémio Melhor Curta de Documentário – 500 Euros
À LA RECHERCHE D’ALINE, Rokhaya Marieme Balde, Suíça /Senegal, doc., 2020, 27’

Menção Honrosa
Y’A PAS D’HEURE POUR LES FEMMES, Sarra El Abed, Canadá, doc., 2020, 19’

Prémio Melhor Curta de Ficção – 500 Euros
COME HERE, Marieke Elzerman, Bélgica, fic., 2020, 26’

Menção Honrosa
LONELY BLUE NIGHT, Johnson Cheng, EUA, fic., 2020, 15’

JÚRI DA COMPETIÇÃO NACIONAL

Mercedes Martínez-Abarca | Ramiro Ledo Cordeiro| Daniel Vadocky

Prémio para Melhor Longa-Metragem Portuguesa – 5000 Euros
NO TÁXI DE JACK, Susana Nobre, Portugal, doc. / fic., 2021, 70’

Prémio de Melhor Realização para Longa-Metragem Portuguesa – 1000 Euros
SIMON CHAMA
, Marta Sousa Ribeiro, Portugal, fic., 2020, 84’

Prémio Dolce Gusto para Melhor Curta-Metragem Portuguesa – 2000 Euros
O QUE RESTA, Daniel Soares, Portugal, fic., 2021, 20’

Prémio Novo Talento The Yellow Color – 1500 Euros
THE SHIFT, Laura Carreira, Reino Unido / Portugal, fic., 2020, 9’

JÚRI DA COMPETIÇÃO NOVÍSSIMOS

Delphine Jeanneret | Maria João Mayer | Mia Tomé

Prémio Novíssimos Betclic – 1500 Euros + Promoção e Venda Portugal Film
(anunciado previamente numa cerimónia especial no dia 3 de Setembro na Casa do Capitão)
HUNTING DAY, Alberto Seixas, Portugal, fic., 2020, 3’

JÚRI SILVESTRE

Anabela Moutinho | Ehsan Khoshbakht | Maria do Carmo Piçarra

Prémio Silvestre para Melhor Longa-Metragem- 1500 Euros
BY THE THROAT, Effi & Amir, Bélgica, doc., 2021, 75’

Menção Honrosa
FOREST – I SEE YOU EVERYWHERE, Bence Fliegauf, Hungria, fic., 2021, 112’

JÚRI DE CURTAS-METRAGENS SILVESTRE

Daniel Ebner | Maíra Zenun | Rita Cruchinho Neves

Prémio Silvestre para Melhor Curta-Metragem- 1000 Euros
ONE IMAGE, TWO ACTS, Sanaz Sohrabi, Canadá / Alemanha / EUA / Irão, doc. / exp., 2020, 45’

Menção Honrosa
PALMA, Alexe Poukine, França / Bélgica, fic., 2020, 40’

JÚRI INDIEMUSIC

Cláudia Guerreiro | Yaw Tembe | Yen Sung

Prémio IndieMusic- 1000 Euros |EX-AEQUO
SISTERS WITH TRANSISTORS,Lisa Rovner, Reino Unido / França, doc., 2020, ‘84
NUEVE SEVILLAS, Pedro G.Romero e Gonzalo García Pelayo, Espanha / França, doc., 2020, 158’

JÚRI AMNISTIA INTERNACIONAL

Pedro Coelho | Romeu Costa | Sandra Pereira

Prémio Amnistia Internacional- 1500 Euros
RADIOGRAPH OF A FAMILY, Firouzeh Khosrovani, Irão / Noruega / Suíça, doc., 2020, 80’

JÚRI ÁRVORE DA VIDA

Inês Gil | Rui Martins

Prémio Árvore da Vida para Filme Português – 2000 Euros
SOPRO,Pocas Pascoal, Portugal, doc., 2021, 43’

PRÉMIOS DO PÚBLICO

Prémio do Público Longa-Metragem – 1500 Euros
AU COEUR DU BOIS, Claus Drexel, França, doc., 2021, 90’

Prémio do Público Curta-Metragem – 1000 Euros
T’ES MORTE HÉLÈNE, Michiel Blanchart, Bélgica, fic., 2020, 24’

Prémio do Público IndieJúnior – 500 Euros
TINTA, Erik Verkerk e Joost van den Bosch, Países Baixos, anim., 2020, 2’

Até 8 de Setembro teremos sessões adicionais no Cinema Ideal, onde serão exibidos os filmes premiados, e na Cinemateca Portuguesa, com projecções de filmes pertencentes à retrospectiva de Sarah Maldoror.

Anunciado o vencedor do prémio Novíssimos Betclic

VENCEDOR | Hunting Day de Alberto Seixas | fic., Portugal, 2020, 3′

O prémio Novíssimos Betclic foi anunciado na sexta-feira, dia 3 de Setembro, na Fábrica do Pão (Casa do Capitão), numa cerimónia especial antes do restante palmarés.

O júri, composto ela programadora e directora de estudos da HEAD Delphine Jeanneret, a produtora de cinema Maria João Mayer e a actriz Mia Tomé, atribuiu o prémio à curta-metragem Hunting Day de Alberto Seixas. O filme retrata o quebrar da rotina de um caçador que parte todos os sábados à procura de uma presa. Ao todo, 13 filmes foram seleccionados na secção Novíssimos.

Segundo as juradas, esta escolha foi motivada por Hunting Day ser uma micro-narrativa que “personifica aquilo que o cinema é: o faz-de-conta, a imaginação, o questionar a realidade com ficção”. As juradas ficaram impressionadas com a estética e com os tempos das acções, considerando que em poucos minutos o realizador criou uma experiência sensorial com forte sentido de trabalho de câmara e enquadramento.

Hunting Day foi exibido mais uma vez na Fábrica do Pão e antecedido pelo filme Rastro, de Bruno Ferreira e João Lourenço, uma co-produção da Betclic. A cerimónia concluíu-se com um concerto de Puçanga no Terraço da Casa do Capitão.

Este fim-de-semana no IndieLisboa

Chegámos ao último fim-de-semana do festival e ainda há muito para ver. Continuamos na Culturgest, Cinema Ideal, Cinemateca e na Biblioteca Palácio Galveias com projecções, conversas e cinema ao ar livre.

ESTE FIM-DE-SEMANA

Jack é Joaquim Calçada, antigo mecânico de aviões. Antes do 25 de Abril, emigrou para Nova Iorque, onde foi motorista de táxis. Volta uma figura, como Carmen Miranda cantava, “americanizada”, depois de vinte anos. É em Alhandra, Vila Franca de Xira que, a um passo da reforma, conta histórias do seu tempo nos Estados Unidos e de um percurso guiado pelo seu instinto de sobrevivência.
> Bilhetes

 

Competição Internacional de Curtas 4 | Bilhetes <
> Competição Internacional de Curtas 5 | Bilhetes <

A câmara de Koberidze traz poesia aos gestos mais quotidianos, numa ode ao amor, ao futebol e ao cinema. Neste filme em jeito de conto popular moderno, duas pessoas apaixonam-se num momento clássico de meet cute, mas encontram-se amaldiçoadas, condenadas a não se reconhecerem.
> Bilhetes

Uma saudável revisão histórica, narrada por Laurie Anderson, que coloca girls to the front no que toca ao impacto e contribuições de mulheres na história da música eletrónica. São mapeadas as contribuições das experiências de Clara Rockmore, Daphne Oram, Bebe Barron, Delia Derbyshire, Maryanne Amacher, Pauline Oliveros, Wendy Carlos, Eliane Radigue, Suzanne Ciani e Laurie Spiegel – contextualizando o seu trabalho face aos movimentos políticos, culturais e sociais do século XX.
> Bilhetes

Um olhar sobre a escrita íntima do casal de artistas plásticos Maria Helena Vieira da Silva e Árpád Szenes, através de uma documentação exaustiva da vida do casal no período retratado. João Mário Grilo pega onde José Álvaro de Morais parou.
> Bilhetes

(Em parceria com o Festival Lisboa 5L)
Um retrato do poeta e trovador arménio Sayat-Nova que se apresenta como poema visual, composto por tableaux que representam a sua vida. Uma meditação enigmática sobre a arte, que se afastou tanto do realismo soviético da sua era que as autoridades impediram a sua distribuição fora da Arménia.
[a partir da biografia e obra poética de Sayat-Nova]

RETROSPECTIVA SARAH MALDOROR

> Bilhetes <

> Bilhetes <

> Bilhetes <

> Bilhetes <

LISBONTALKS UNIVERSIDADE LUSÓFONA

SEXTA-FEIRA | 3 SET | 18:00 | PT
Espalanada Cinemateca Portuguesa | Cinemateca Portuguesa Terrace
­Com:
Annouchka de Andrade, realizadora, produtora e filha da cineasta Sarah Maldoror.
Maria do Carmo Piçarra, investigadora no ICNOVA e professora na Universidade Autónoma de Lisboa.
Marta Lança, jornalista e criadora e editora do site BUALA.
Raquel Schefer, investigadora, realizadora e curadora.
Joana Ascensão, programadora na Cinemateca Portuguesa, realizadora e produtora.

SAB | 4 SET | 17:00 | PT
Online via YouTube

­Com:
Anastasia Lukovnikova, programadora do IndieLisboa
Susana Nobre, realizadora e co-fundadora da produtora Terratreme
Tota Alves, realizadora e produtora
Filipa Reis, realizadora e co-fundadora da produtora Uma Pedra no Sapato
­

DOM | 5 SET | 17:00 | EN
Online via YouTube
­Com:
Michiel Philippaerts, argumentista | screenwriter
Catherine Colas, editora de curtas e médias-metragens para a magazine da ARTE “KurzSchluss” | Short film editor for the ARTE Magazine “KurzSchluss”.
Wouter Jansen, professor e dono da sales agency e distribuidora Square Eyes | Teacher and owner of the sales agency and distribution company Square Eyes.­

Consulta o calendário de sessões para acederes ao programa completo, ou descarrega a app oficial para adicionares à tua agenda as sessões que não queres perder!

> Programa PDF <

Euro Connection 2022: Inscrições abertas para curtas-metragens

As inscrições de projectos de curtas metragens para a 14.ª edição do Euro Connection, que decorre nos dias 1 e 2 de Fevereiro de 2021 durante o Festival Internacional de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand, já estão abertas.
Esta plataforma tem como objectivo auxiliar as parcerias entre produtores Europeus na produção de curtas metragens.
Em cada país, os correspondentes nacionais avaliam todos os projectos inscritos e escolhem o projecto finalista. As inscrições para a próxima edição terminam no dia 20 de Outubro de 2021.

Os projectos devem seguir os seguintes requisitos:
• Curta-metragem de animação, ficção ou documentário criativo;
• Duração até 40 minutos;
• O projecto deve ter parte do seu financiamento garantido por um terceiro (fonte externa);
• O produtor deve ser aberto à co-produções internacionais (projecto adequado ou destinado à co-produção);
• Filmagem ou produção devem começar a partir de Junho de 2022;

Um júri europeu, composto por 3 profissionais da indústria de diferentes nacionalidades, irá eleger depois até 13 projectos finalistas que apresentarão o seu pitch durante o festival. A lista de finalistas será divulgada aos vencedores até ao fim de Novembro de 2021.

Os produtores devem enviar os seus projectos de curta metragem até ao dia 20 de Outubro de 2021 ao representante do seu país. Em Portugal, os festivais associados são o IndieLisboa e o Curtas Vila do Conde. Todas as inscrições devem ser enviadas para:
Miguel Dias | mdias@curtas.pt
Miguel Valverde  | miguel.valverde@indielisboa.com.

> Descarregue aqui o regulamento e o formulário de inscrição.

Anunciados os vencedores do Fundo de Apoio ao Cinema

Os dez projectos seleccionados nesta edição, duas longas e oito curtas-metragens, foram apresentados através de um pitch avaliado depois por um júri internacional. Este ano o júri, constituído pelo músico português Salvador Sobral, a programadora do Festival de Jeonju, Sung Moon, e o director artístico do Vienna Shorts Film Festival, Daniel Ebner, atribuiu os seguintes prémios:

ESCOLA DAS ARTES, UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (PORTO)

Apoio financeiro no valor de €1.500, atribuído a um projecto de qualquer duração e género
• Via Norte, de Paulo Carneiro (Vento Forte, Head-Geneva, Suíça / Portugal)
Um jovem aficionado por carros viaja 2.000 km rumo ao norte e encontra alguns dos seus conterrâneos, forçados a deixar seu país, que partilham o mesmo o amor pelo automóvel.

DMIX – DIGITAL MIX MÚSICA E IMAGEM LDª

Serviços de pós-produção de som para dois filmes (duas curtas-metragens):
• Entre a Luz e o Nada, de Joana de Sousa (Primeira Idade, Portugal)
Há semanas que Shade não dorme bem. Luzes sem explicação aparecem no céu. Shade parece flutuar, num estado intermédio em que a realidade do mundo que a rodeia não se sustenta.
• Kinté Bô, de Sofia Borges (Oxalá Filmes, Portugal / São Tomé e Príncipe)
A ilha é habitada por fantasmas que interferem no quotidiano. Existe uma dívida do passado que atormenta a atividade piscatória de Bumba e o futuro da população.

FUNDAÇÃO GDA

€6000 para a criação de música original, premiando uma longa metragem (€4.000) e uma curta metragem (€2.000), ou em alternativa três curtas metragens (cada uma €2.000):
• Entre a Luz e o Nada, de Joana de Sousa (Primeira Idade, Portugal)
Há semanas que Shade não dorme bem. Luzes sem explicação aparecem no céu. Shade parece flutuar, num estado intermédio em que a realidade do mundo que a rodeia não se sustenta.
• Saturno, de André Guiomar e Luís Costa (Olhar de Ulisses, Cimbalino Filmes, Portugal)
Saturno conta a história de Caveirinha, um humilde pescador que vive em habitação subsidiada. Logo após a morte do seu filho no mar, este depara-se com a dificuldade de o enterrar com dignidade.
• O Banho, de Maria Inês Gonçalves (Maria Inês Gonçalves, Elías Querejeta Zine Eskola, Portugal/Espanha)
A bebé brinca com o barco na banheira De repente, o barco vira. De repente, o barco já não é o barco na banheira, mas o barco no mar. De repente a bebé já não é a bebé, mas sou eu.

THE YELLOW COLOR

Dois dias de estúdio em pós-produção de imagem para uma curta-metragem
• Ultimate Bliss, de Miguel de Jesus (C.R.I.M, Austrália, Qatar, Portugal)
Um filme-diário e um exercício de memória, sobre um futuro que tem tanto de remoto como de selvagem.

> Mais informações sobre o Fundo de Apoio ao Cinema aqui.