Cinema e libertação: a retrospectiva do legado de Sarah Maldoror no IndieLisboa

A cineasta Sarah Maldoror ergue novamente a sua voz, por tantas pessoas que continuam silenciadas, durante a nossa próxima edição. Junto com a Cinemateca Portuguesa apresentamos a sua obra cinematográfica, num contexto quase integral, sendo que alguns dos seus filmes permanecem ainda por localizar. Uma retrospectiva plena de revolução e de esperança, um olhar sobre uma cineasta que precisa de se encontrar com o público português.

Recentemente desaparecida, deixou um legado de filmes que refletem as questões que atravessaram toda a sua vida e pensamento: das guerras coloniais (Monangambé, Sambizanga) ao movimento da negritude (Aimé Césaire, Léon-Gontran Damas, Toto Bissainthe), passando pelos retratos de artistas que influenciaram a sua criação (Ana Mercedes Hoyos, Vlady, Miró).

Sarah Maldoror fundou Les Griots em França, em 1956, uma companhia “para pôr fim aos papéis de serva” e “para tornar conhecidos artistas e escritores negros”, palavras suas num texto divulgado pelas filhas, Annouchka de Andrade e Henda Ducados, e publicado por Marta Lança no Buala. Annouchka de Andrade estará em Lisboa durante o festival para acompanhar a retrospectiva, que incluirá filmes totalmente inéditos, cujo paradeiro foi recentemente descoberto. Haverá ainda lugar para uma contextualização da sua obra em colaboração com outros autores, como Gillo Pontecorvo, Chris Marker ou William Klein.

Depois de estudar cinema em Moscovo no início dos anos 60 (tal como Ousmane Sembène), começa a criar os seus filmes sobre as questões coloniais e a afirmação de intelectuais africanos, e juntamente com o seu companheiro, o poeta e fundador do MPLA, Mário Pinto de Andrade, mergulha nos movimentos de libertação em África. A sua primeira obra, Monangambé (1969), fala precisamente do brutal papel de Portugal colonizador, fazendo uma brilhante adaptação de uma novela de Luandino Vieira. Muito embora alguns dos seus filmes tenham sido vistos e premiados em todo o mundo no circuito de festivais, a riqueza deste conjunto permanece ainda por descobrir. A lista completa de obras exibidas será revelada brevemente e integrará filmes completamente inéditos.

Vendo os seus filmes temos ainda muitas questões para levantar, debater, revisitar. E iremos fazê-lo presencialmente, com todo o nosso público em sala, perante a magnitude da obra desta cineasta vista num ecrã de cinema.

IndieLisboa 2021: descubra a cara da 18.ª edição

O ano é 2021 e a edição é a 18.ª.

Assinala-se a maioridade do corvo mais independente de Lisboa, que comprova que vamos sempre continuar a levar o cinema às pessoas e as pessoas à sala, independentemente de qualquer circunstância. Haverá sempre lugar para novas e experientes vozes e olhares do cinema em Lisboa.

Para a edição de 2021 convidámos a designer russa Tatiana Egoshina para criar as novas imagens gráficas do festival, tendo como ponto de partida o corvo e transformando-o com as suas habituais cores vibrantes e formas geométricas. Mais novidades do IndieLisboa em breve.

      

IndieJúnior Escolas 2021: Inscrições abertas para sessões no cinema e também nas escolas

Estamos todos cansados de ficar em casa e nada melhor do que planear os dias melhores que estão por vir para melhorar o mood 🙂

Com o regresso das actividades lectivas, voltamos ao contacto com os nossos queridos professores porque está quase a chegar mais uma edição do IndieJúnior, que este ano acontece de 29 de Abril a 9 de Maio de 2021. Dado o contexto atual, além de acontecerem nas habituais salas do festival, as sessões poderão também decorrer nas escolas, se assim achar mais seguro. Vimos convidar a que participe com os seus alunos e colegas em mais uma edição, pois o IndieJúnior depende da participação activa de escolas, professores e alunos.

Inscrições Escolas

A programação está a ser desenhada, de acordo com cada faixa etária, juntando filmes surpreendentes, divertidos e de temáticas relevantes para toda a comunidade escolar.

Este ano propomos então duas opções:

1) Receber o IndieJúnior na sua escola

2) Ir ao IndieJúnior nas habituais salas de cinema em Abril/Maio

Tendo em conta o contexto atual, adaptámos a oferta de filmes a uma nova modalidade. Poderá fazer/manter a inscrição para o programa presencial, nas salas de cinema, mas tem a opção de receber os filmes directamente na sala de aula. O programa de filmes é igual em sala ou na escola.

Esperamos por si e pelos seus alunos, nas salas de cinema ou na escola, com uma oferta de filmes que vão contribuir para a aprendizagem, diversão, reflexão e crescimento de todos. Um momento descontraído que achamos importante para que, através do cinema, nos consigamos divertir mesmo vivendo tempos complexos.

Para aceder a grelha, inscrever-se e fazer a reserva, siga este link.

A inscrição tem um valor de 1,5€ por aluno (professores e auxiliares estão isentos) e o pagamento poderá ser efectuado mais perto da data da sessão.

Estamos atentos ao desenvolvimento do contexto atual e estaremos em contacto. Juntos encontraremos um lugar e uma alternativa para fazer o Cinema chegar até aos mais novos 🙂

Dúvidas e mais informações: escolas@indiejunior.com

Sobre o IndieJúnior

O IndieJúnior escolas tem uma oferta de programação de curtas e longas metragens de ficção, documentário e cinema de animação para as diversas faixas etárias de grupos escolares, incluindo pré-escolar, 1.º, 2.º e 3.º ciclos. Os filmes são escolhidos criteriosamente, de modo a corresponderem aos interesses, problemáticas e inspirações de cada faixa etária, com o objectivo de estabelecer uma relação de comunicação entre obra e aluno, deixando espaço para o debate e reflexão na escola, em casa e na vida.