Os filmes favoritos do público até agora

O Prémio do Público é uma das melhores maneiras de saber quais os filmes mais apreciados pelo público que passa pelo festival e os tops vão se actualizando a cada dia.

Neste momento, a longa metragem mais bem recebida é o documentário O Processo, de Maria Augusta Ramos (com segunda exibição no dia 6 de Maio, às 19h00, no Cinema São Jorge) e a curta metragem favorita trata-se de Coqueluche, de Aurélien Peyre (exibido uma segunda vez na sessão Competição Internacional Curtas 1, que acontece no dia 2 de Maio, às 19h15, na Culturgest).

LONGAS

1. O Processo/The Trial, de Maria Augusta Ramos (Silvestre)

2. Les quatre soeurs/The Four Sisters, de Claude Lanzmann (Silvestre)

3. An Elephant Sitting Still, de Hu Bo (Competição Internacional)

4. Mutafukaz, de Guillaume Renard, Shôjirô Nishimi (Boca do Inferno)

5. La Liberté/In the Open, de Guillaume Massart (Silvestre)

 

CURTAS

1. Coqueluche, de Aurélien Peyre  (Competição Internacional)

2. Russa, de João Salaviza, Ricardo Alves Jr. (Competição Nacional)

3. Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra (Competição Internacional e Nacional)

4. Braguino, de Clément Cogitore (Silvestre)

5. Personal Truth, de Charlie Lyne (Silvestre)

Aqui estão os vencedores do Fundo de Apoio ao Cinema 2018

O Fundo de Apoio ao Cinema 2018 regressou e mais uma vez garante dar um apoio à pós-produção de filmes de autores portugueses ou estrangeiros com residência permanente em Portugal.

As sessões de pitching aconteceram no dia 28 e 29 de Abril, na Biblioteca Palácio Galveias, e já são conhecidos os projectos vencedores:

A CASA, de Madalena Fragoso e Margarida Meneses (Prod. própria)
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT): €1.500 atribuído a um documentário.

A ILHA INVISÍVEL, de Rui Almeida Paiva (Cedro Plátano)
A CASA, de Madalena Fragoso e Margarida Meneses (Prod. própria)
Digital Mix Música e Imagem: Pós-produção de Som.

A DANÇA DO CIPRESTE, de Mariana Caló e Francisco Queimadela (Prod. própria)
A ILHA INVISÍVEL, de Rui Almeida Paiva (Cedro Plátano)
Fundação GDA: Criação de Música Original.

PEDRA DO MEDO, de Patrícia Black (Fratura Filmes)
Walla Collective: Estúdio Pós-produção de Imagem e Som.

Este ano, a iniciativa da IndieLisboa contou mais uma vez com os parceiros habituais: a Fundação GDA, a Universidade Lusófona (ULHT), a Digital Mix Música e Imagem, e a Walla Collective.

O júri internacional foi composto por Joana Barra Vaz (realizadora / músico), Peter Taylor (Director do Berwick Film & Media Arts Festival, Reino Unido) e, Victor Paz Morandeira (Crítico de Cinema e Programador do CGAI – Filmoteca de Galicia, cinemateca regional da Galícia, Espanha).