Nunca as Minhas Mãos Ficam Vazias

Miguel Munhá

IndieLisboa 2018 •

Documentário, 2017, 90′

Nunca as Minhas Mãos Ficam Vazias acompanha a descoberta da cidade de Lisboa pelo artista Faustin Linyekula, através do trabalho que desenvolveu durante 2017 com os alunos finalistas da ESTC e dos vários espectáculos que apresentou nas principais salas culturais da capital. O bailarino, coreógrafo e encenador congolês, que tem uma obra assumidamente política, mostra neste documentário como vive a dualidade da sua obra: apesar de denunciar a escuridão, ela parece procurar a luz. Como diz o próprio “uma pessoa tem de ser muito doida para acreditar teimosamente na celebração da beleza”.