Sollers Point

Matthew Porterfield é um realizador que o IndieLisboa vem acompanhando: em 2010 exibiu em competição Putty Hill, depois disso a longa I Used to Be Darker e a curta Take What You Can Carry. Sollers Point, a quarta longa do realizador, retrata Keith que, com 24 anos, sai da prisão e tenta recompor-se (apesar dos demónios do seu passado o rondarem constantemente). Protagonizado pelo jovem actor em ascensão McCaul Lombardi (American Honey e Patti Cake$), este é um filme onde a violência latente é sintoma de uma comunidade devastada pelo desemprego, pela droga e pela segregação.

Take What You Can Carry

“Take What You Can Carry” é o mais recente filme do autor de “I Used to Be Darker” (IndieLisboa 2013), com a participação de Hannah Gross (“Christmas, Again”, em Competição Internacional) e da realizadora Angela Schanelec.

I Used to Be Darker

Kim e Bill vivem em Baltimore e estão a separar-se na altura em que Abby, a filha de ambos, estudante universitária, vem de férias a casa. Kim e Bill são surpreendidos pela visita da sobrinha, Taryn, fugida de casa dos pais na Irlanda do Norte. Depois de Putty Hill, exibido no IndieLisboa em 2010, Matthew Porterfield regressa com I Used To Be Darker, um filme que retrata de forma sensível as relações humanas no seio de uma família norte- americana e que comprova o talento de um cineasta em pleno domínio de um cinema narrativo contemporâneo que não tem pudor em ir buscar os dispositivos do documentário ‚ décors reais e actores não profissionais ‚ para nos falar, com vivacidade e rigor, da realidade em que vivemos. Eu vejo pessoas reais que amo, escreveu Porterfield sobre o filme. As emoções predominam, as histórias são as das pessoas que amamos, as canções estão lá para as ouvirmos. (Catarina Cabral)