Our Madness

Our Madness inicia-se num manicómio, de modo a que nos instalemos no cinema de João Viana, tão onírico quanto mitológico. Prosseguindo o trabalho da sua primeira longa metragem, A Batalha de Tabatô (IndieLisboa 2013), o realizador acompanha Ernania na sua deriva espectral por Moçambique, à procura do seu marido e filho. Um estúdio de música, uma cama alada e musical, um cinema cujos espectadores são cabras: tudo isto num filme que constrói uma penetrante alegoria sobre a história africana onde a doença mental é símbolo da escravatura, da guerra civil ou de um regime-fantoche.

A Batalha de Tabatô

A primeira vez que ouvi falar deste fenómeno foi na Alemanha. Um jovem violinista de formação clássica confessou-me que sonhava partir para uma aldeia mítica entre os jovens alemães, situada no centro de África, e constituída por músicos onde se aprendia djambé. De repente aquilo pareceu tão próximo de mim que se fez um clic. Quando era pequeno, em África, os pais mandavam as crianças para a Alemanha para aprender música. Agora estava tudo ao contrário. E ainda bem. Porque as coisas estão mesmo ao contrário. Nós, europeus, é que não as vemos. O mundo de facto mudou. E isto não é de agora. África não é como a pintamos. E a culpa toda é dos portugueses do século XV, que destruíram os documentos africanos para provar que a nossa cultura era superior à deles. (João Viana)