cineclube

Serviço Educativo – Cineclube IndieLisboa

O Cineclube IndieLisboa aposta na formação de novos públicos organizando ao longo do ano lectivo várias sessões destinadas aos alunos do ensino secundário e superior. Estas sessões decorrem nas escolas de Lisboa e da Grande Lisboa com as quais o IndieLisboa estabeleceu um protocolo de colaboração. Todas as sessões são apresentadas e acompanhadas pelo realizador ou por um elemento da equipa artística ou técnica do filme ou ainda um crítico ou historiador de cinema. No final de cada sessão promove-se um debate à volta do filme realçando a importância e a pertinência artística, social e filosófica do filme apresentado.

A presença dos realizadores no final do filme, juntamente com um dos programadores do festival, é essencial para ajudar a criar um espaço de aprendizagem e crescimento. As sessões do Cineclube IndieLisboa pretendem desenvolver o potencial do cinema como ferramenta educativa valorizando igualmente a sua linguagem artística.

Durante o período do festival os alunos e estudantes destas escolas e faculdades irão frequentar as salas onde decorre o festival, para descobrirem os filmes programados especificamente para estes grupos de alunos e estudantes.

As sessões decorrem nos dias 21, 22 e 28, às 14h30, no Cinema São Jorge e na Culturgest,  e nos dias 27 e 29, às 10h30, no Cinema São Jorge e na Culturgest.

Para mais informações sobre o Cineclube IndieLisboa: cineclube@indielisboa.com

Programa

Sessão: Quinta-feira, 21 de Abril – 14H30 – CINEMA SÃO JORGE, SALA 3

230917

6A
de Peter Modestij, Suécia, ficção, 2016, 61’

SINOPSE: Filme desenrolado durante uma reunião escolar convocada por causa de acusações de bullying. Numa mesma sala, concentram-se pais enfurecidos, um professor desamparado e três estudantes. 6A é um drama minimal do realizador sueco Peter Modestij que torna uma reunião escolar numa arena onde se joga o lado mais escuro da natureza humana. Enquanto os pais trocam acusações várias, as alunas Denise, Bella e Mina e as explicações que têm a dar são deixadas para as calendas gregas.

Sessão : Sexta-feira, 22 de Abril – 14H30 – CULTURGEST PEQUENO AUDITÓRIO

205024

À peine j’ouvre les yeux/ As I Open my Eyes
de Leyla Bouzid, França, Tunísia, Bélgica, ficção, 2015, 102’

SINOPSE: Estamos em Tunis, no Verão de 2010, em vésperas de estalar a Primavera Árabe. Farah é uma jovem tunisina com todo um futuro preparado como médica. Contudo, ao contrário dos desejos da sua família, Farah tem outros planos para a sua vida. Ela sonha aprimorar a sua arte enquanto vocalista numa banda de rock engajada. É uma maneira de estar viva e envolvida nos destinos do seu país, numa altura em que a revolução se precipita. Um olhar na primeira pessoa a partir do epicentro das grandes transformações por que ainda passa o mundo árabe.

Sessão: Quarta-feira, 27 de Abril – 11H00 – CINEMA SÃO JORGE – SALA 3

CURTAS-METRAGENS – Silvestre 2

232348

Unhappy Happy

Peter Millard, Reino Unido, anim., 2015, 7’

SINOPSE: Ritmo, cor, música, formas, cinema de animação, a Europa. É disto que se faz Unhappy Happy.

208734

World of Tomorrow
Don Hertzfeldt, EUA, anim., 2015, 17’

SINOPSE: O galardoado cineasta de animação Don Hertzfeldt inventa um futuro de clones, viagens no tempo, e paixões: World of Tomorrow foi nomeado para o Óscar de melhor curta-metragem de animação.

225365

The Miniaturist
Paribartana Mohanty, Índia, exp., 2015, 13’

SINOPSE: Quando a bomba atómica explodiu, a sua luz cegou os cientistas momentaneamente para logo se seguirem cores brilhantes: The Miniaturist é um filme com dois ecrãs como dois olhos cegos.

222687

B-ROLL with Andre
de James N. Kienitz Wilkins, EUA, 2015, 19’

SINOPSE: Um homem encapuzado fala-nos de Andre, o seu testemunho é entrecortado por imagens, o B-ROLL, a caminho da máxima resolução: a alta definição como propósito espiritual.

225388

Dear Lorde
Emily Duke, Cooper Battersby, Canadá, fic., 2015, 27’

SINOPSE: Maxime, de 14 anos, quer ser uma pessoa de valor, para isso envia várias cartas a Jane Goodall, Desmond Tutu, Louie C.K. e à cantora Lorde, em Dear Lorde.


Sessão
: Quinta-feira, 28 de Abril – 14H30 – CULTURGEST – PEQUENO AUDITÓRIO

231150

O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu
de João Botelho, Portugal, Documentário, 2016, 80′

A sessão será apresentada por João Botelho.
A morte de Manoel de Oliveira deixou um enorme vazio no cinema português. João Botelho secou as lágrimas, passou do luto ao futuro e escreveu assim sobre o seu mestre: “umas vezes ele fez cinema contemporâneo, mas a maior parte das vezes, mais radical, anunciou o que o cinema devia ser. Antes do tempo, apresentava o futuro”. Mas como o que se trata é  da passagem da teoria à prática, o que nesta sessão se assistirá é a um documentário sobre o método e modo de filmar de Oliveira. Documentário de amor mas também documento: contra o esquecimento do maior dos cineastas portugueses.

SESSÃO: Sexta-feira, 29 de Abril – 10H30 – CULTURGEST PEQUENO AUDITÓRIO

CURTAS-METRAGENS Competição Internacional 1

220006

Love
de Réka Bucsi, França, Hungria, anim., 2016, 15’

SINOPSE: Love ilustra os efeitos do amor numa galáxia distante através de uma animação encantada pela estranheza das suas criaturas e das suas recém-descobertas emoções.

210708

Jan Peeters
de Miguel Lopez Beraza, Hungria, Roménia, doc., 2015, 8’

SINOPSE: Filmado com câmaras térmicas Jan Peeters fala-nos de um personagem que é tanto um homem como uma estatística: a solidão dos números manifesta-se.

217344

Hotaru
de William Laboury, França, fic., 2015, 21’

SINOPSE: Martha não esquece, ela guarda as memórias da terra, mas há uma imagem que lhes escapa, a de Hotaru: o romantismo desolado deHiroshima mon amour nos dias da Internet.

215417

Balada de um Batráquio
Leonor Teles, Portugal, doc., 2016, 11’

SINOPSE: Depois de Rhoma Acans (IndieLisboa 2013), Leonor Teles regressa com Balada de um Batráquio em que, num gesto tão pessoal quanto activista, desfaz um dos preconceitos sobre a comunidade cigana.

211470

Uzu
Gaspard Kuentz, Japão, França, doc., 2015, 27’

SINOPSE: O festival anual de Dogo, na ilha de Shikoku, é um dos mais violentos rituais religiosos do Japão. Uzu não se limita a filmá-lo, integra-o numa imersiva experiência fílmica.